Buscar Serviços


O inverno mais aconchegante

19 de dezembro de 2012

Comer, beber, amar e vestir: eis a combinação perfeita para quem quer enfrentar com bom humor a estação mais fria do ano. E se o propósito é tornar o inverno mais aconchegante, a primeira dica é conhecer as malharias da Rota Romântica.

Fotos: Internet

Uma grande variedade de roupas de malha é produzida em pequenas indústrias familiares, que começaram em casa, com o tricô tecido manualmente ou em máquinas de uso doméstico. Gradualmente os empreendimentos foram se expandindo, mas sem perder o cunho familiar.

Em Presidente Lucena, as Malhas Ellis são um exemplo desse tipo de iniciativa, que começou pequena e foi crescendo. Sandra Müller é a fundadora do negócio. Costureira de sapatos, ela foi vítima da forte crise que atingiu o setor calçadista na década de 80. Sem trabalho, Sandra começou a fazer roupas de tricô tecidas a mão. Como a demanda aumentava além do que conseguia produzir, ela comprou sua primeira máquina de tecer, que também era operada manualmente. Nesta época, seu marido, o agricultor Waldir Müller trabalhava na roça durante o dia e, à noite, ajudava a esposa na confecção das malhas. Enquanto um costurava, o outro cortava as peças. Tempos depois, quando uma crise no setor agrícola atingiu novamente a família Müller, o casal decidiu comprar mais uma máquina. Hoje, com mais de 30 funcionários, a malharia é uma das mais conhecidas da região.

 

Passo a passo

Diego Müller, filho de Waldir e Sandra, explica que o fio usado na confecção das malhas é comprado no mercado interno e no exterior. “Importamos o fio, tecemos e, depois, ele é passado, vaporizado, cortado e costurado. Por fim, é feito o acabamento da peça”. O maquinário, por sua vez, é todo importado do Japão, Alemanha e Itália. Com alta tecnologia, algumas máquinas entregam os modelos quase prontos, necessitando apenas alguns acabamentos, como arremate e gola. São peças sem costuras ou cortes.

A revisão da malha é feita pelo próprio tecelão, que verifica se há alguma falha e, se necessário, providencia a reparação. Depois de passada a vapor e cortada, a peça vai para a costura e acabamento, que inclui a colocação de botões e zíper. Antes de seguir para a expedição, ela é novamente revisada e passada. 

 

Pesquisa aponta tendências da estação

A pesquisa sobre tendências da moda para cada estação é feita em países como Itália, Estados Unidos e Espanha. A partir destas informações e das novidades em cores e matérias-primas apresentadas pelos fornecedores, os estilistas e modelistas da própria fábrica criam as coleções e decidem qual o fio que se adapta melhor a cada modelo.

Os fios diferem de acordo com as estações do ano. Os mais “gelados”, como os de poliamida e poliéster, são utilizados nas coleções de primavera-verão e os mais “quentes”, como o acrílico, nas coleções de outono-inverno. O maquinário também precisa ter o know how adequado a cada matéria-prima, podendo ser de finura grossa, para a confecção das peças de inverno, ou de finura fina, para as peças de verão.

 

Malharias buscam qualidade com novas tecnologias

Professora do Curso de Moda da Feevale, especializada na área de tecnologia têxtil, Emanuele Biolo Magnus explica que a qualidade da malha está relacionada com o tipo de fibra que é utilizada. Podem ser fibras naturais, como algodão, lã e seda, ou artificiais, fabricadas a partir de polímeros naturais. Os polímeros são substâncias encontradas na natureza, transformados quimicamente em laboratório, como viscoses e modais, por exemplo. Existem também as fibras sintéticas, que são totalmente produzidas pelo ser humano. “A partir dessas características das fibras, conseguimos ter propriedades que são essenciais”, destaca a professora. O algodão é uma fibra que absorve melhor o calor, enquanto a viscose, por ter origem na celulose, causa uma sensação de frescor. Estas características dos fios são determinadas pela composição da fibra. 

A tecnologia é cada vez mais usada no desenvolvimento de fios mais finos, inspirados na natureza ou que buscam as características das fibras naturais. “A malha começa a ser construída com a definição da fibra que será inserida no fio”, revela Emanuele. A fibra determina o conforto, a absorção, a intensidade da cor e a durabilidade do fio, enquanto a máquina elimina costuras, ao mesmo tempo em que possibilita a inserção de padronagens e rendados cada vez mais complexos. Porém, o reconhecimento das matérias-primas e a avaliação da potencialidade dos equipamentos, feitas pela equipe de estilistas, é que realmente vai determinar as diferenças e inovações de cada coleção.

 

 

 


Compartilhar

Classificar


Comentários

Comentar