Buscar Serviços


Idas e vindas de um cinquentão

06 de fevereiro de 2014

Auditório Araújo Vianna completa 50 anos desde sua mudança para o Parque Farroupilha, em Porto Alegre.

Fotos: Internet

Em 2014, um dos principais palcos de Porto Alegre completa 50 anos que está instalado no Parque Farroupilha. Ao longo de cinco décadas, o Auditório Araujo Vianna se constituiu em um ícone da cena cultural porto-alegrense. O famoso local de espetáculos já recebeu diversos artistas renomados, como João Gilberto, Caetano Veloso, entre outros.

O auditório foi originalmente inaugurado em 1927, no local onde hoje se encontra a Assembleia Legislativa. Na época, tinha capacidade para 1,2 mil pessoas. A ideia de sua construção surgiu no início de 1920, com projeto baseado num auditório que existia na Alemanha, aberto e com concha acústica. O projeto foi elaborado por José Wiedersphan e Arnaldo Boni. 

Logo após sua inauguração, o auditório tornou-se um espaço de extrema importância. Localizado na área central da cidade, o auditório oportunizava o acesso de pessoas de todas as classes sociais a apresentações musicais, especialmente por ser palco para a Banda Municipal. Tempos que a escritora Ana Mariano recorda com carinho. “Eu me lembro ainda do Araújo antigo lá na praça da Matriz quando eu era menina,fazendo parte da história da cidade”, lembra. Com o passar dos anos, o antigo auditório é demolido para dar lugar ao prédio da Assembleia Legislativa. 

O atual auditório, no Parque Farroupilha, foi inaugurado em 12 de março de 1964, em forma de ferradura, com capacidade para 4,5 mil pessoas. O projeto é dos arquitetos Moacyr Moojen Marques e Carlos Maximiliano Fayet. A partir de 1970, o Araújo Vianna passa a se caracterizar como espaço para apresentação de espetáculos de MPB. Para o publicitário Eduardo Furaste, o Auditório Araújo Vianna faz parte da memória do porto-alegrense. “Cada vez que venho no Araujo Vianna é como se passasse um filme do Fórum Social Mundial, grandes shows, ainda na época que não tinha cobertura”, afirma.

Sem cobertura, o auditório deixa de atrair o interesse de produtores artísticos e é desativado em 1985. A cobertura do Auditório Araújo Vianna foi debatida durante 30 anos entre a população de Porto Alegre. Em meados dos anos 90, nas reuniões do Orçamento Participativo no bairro Bom Fim, foi decidido que a questão seria uma das prioridades da região. A lona que cobria o Auditório Araújo Vianna foi inaugurada em outubro de 1996, com um histórico show de João Gilberto. 

Em 1997, o Parque Farroupilha foi tombado como Patrimônio Histórico e Cultural de Porto Alegre. Como parte integrante do Parque, o Auditório passou a ter sua preservação garantida. No início de 2005 o Auditório foi interditado pela Prefeitura de Porto Alegre, por motivos de segurança, depois do rompimento de um cabo de sustentação da cobertura. No ano seguinte, a prefeitura anuncia que busca parceiros para reformar a cobertura e que está deverá ter isolamento acústico para atender a ações movidas por moradores do bairro Bom Fim. A Opus Promoções vence o edital de licitação para executar as obras de reforma no Araújo, orçadas inicialmente em R$ 7 milhões. Após o início das obras, o custo é reavaliado em quase R$ 15 milhões.

Reestruturado e modernizado, o palco do Araújo Vianna hoje segue recebendo grandes artistas da música brasileira. O músico Arnaldo Antunes, ex-integrante dos Titãs, se apresentou no reformulado auditório em outubro do ano passado. Para ele, é incrível que casas de shows, bibliotecas, centros culturais e cinemas, por exemplo, consigam criar uma tradição através da longevidade e da programação especialmente escolhida para o lugar. “O Araujo Vianna tem esse respeito e reverência de Porto Alegre para com o auditório e eu fico muito contente de estar aqui, compartilhando deste sentimento”, afirma.

 


Compartilhar

Classificar


Comentários

Comentar